• Dança 4
Menu
06-07.05.2021 | 14:00-18:30 | online
 
 
 
 
Nos últimos anos tem sido crescente a publicação de trabalhos sobre a importância da música na construção de representações no âmbito do império colonial português durante o século XX. Os múltiplos olhares sobre diversas práticas musicais têm ilustrado o seu papel na consolidação do poder colonial, na criação de imaginários do "império", na legitimação de movimentos políticos, na construção de nações independentes e nas reconfigurações políticas, sociais e culturais do contexto pós-independências. Simultaneamente, tem também sido reforçada a compreensão do papel dos média nestes processos. Sabemos hoje que canais onde a música tinha uma presença fundamental, tais como a rádio, o cinema e a indústria fonográfica, entre outros, foram estruturantes para o quotidiano das populações, contribuindo decisivamente para processos políticos e sociais que marcaram o rumo histórico das relações coloniais e orientaram também a formação de ideologias promotoras das independências nacionais, sendo dispositivos eficazes para a sua manutenção.
 
Dado o conhecimento que tem sido produzido nestas vertentes, importa aprofundar o papel destes canais mediáticos como novos contextos de produção musical. Nas primeiras décadas do século XX, os processos de mediação no espaço imperial, tais como a radiodifusão, o cinema, a circulação de iconografia e literatura, a indústria fonográfica, entre outros, abriram espaço para novas formas de conceber práticas musicais já existentes. Também a disseminação de géneros e repertórios associados à popular music veio transformar contextos performativos locais, adaptando-os a imaginários cosmopolitas e à circulação de produtos à escala global. A relação entre a música e os média contribuiu decisivamente para a reformulação de categorias performativas e sociais, e para a implementação de políticas culturais.
 
Através deste encontro, pretende-se promover a interação entre investigadores cujo trabalho se cruze com estes processos de mediação da música, de modo a aprofundar a sua articulação com a configuração de imaginários do império português, o contexto pós-colonial e o modo como estes podem ter contribuído para a construção de realidades organizadas em torno de dicotomias tais como "colónia"/"metrópole", "colonizado"/"colonizador", "tradição"/"modernidade" e "rural"/"urbano", ou conceitos tais como "cultura", "lusotropicalismo" e "património".
 
 
Comissão Organizadora